quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Primevera

De longe avisto Ipês coloridos
cobrindo as copas de árvore em flor
trás consigo a primavera
um cheiro doce de amor

Lembranças de ontem e hoje
renascem dentro de mim
saudades do que nunca veio
saudades de amor sem fim

Primavera de vento norte
coisa linda do pago sul
vento norte e mate amargo
regado num céu azul

Pelo pasto o potro relincha
e vacas com cria ao pé
meu Rio Grande, vista linda
com povo de amor e fé

Os campos verdes de esperança brilham
Beijados pelo sol de um campo vasto
Primavera da saudade eterna
dos versos que hoje eu faço.

set 2006

Lua Serena

Alva e resplandecente, és tu lua de verão
Brilhas a mim com as estrelas
De longe avisto teu clarão

Vento morno no meu rosto
balança meus longos cabelos
Quero andar baixo tua tua luz
no brilho do teu apelo

Lua linda, lua serena
quem em ti pôs os pés no céu
lua cheia da noite quente
no teu brilho não há labéu.

Inspiração da jovem poeta
escrevendo à luz da lua
poderias ser muito mais vista
se não fosse a luz da rua.


fev 2006


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Céu de Vinho

N'aurora que pinta o céu de vinho
o vento minuano entremeia meus cabelos
longos e negros como a noite escura
como se fosse o céu, de nova a lua

Vagueio por ruas distantes das vistas
conhecidas de meu pago, à andar despacio 
Pensamentos ao longe, trazendo à memória
tristes dias  de glória que trago

Ando por aí sem me dar conta
que a vida me sobra a cada dia
que as coisas que eu tenho são poucas
são minhas e de mais ninguém
pois cada palavra que trago
são rastros de esperança pra alguém

Se eu não tenho mais esperança
se meus sonhos são como criança
que o realmente importa afinal?
Ao andar pelas ruas , com minh'alma nua
me resta o consolo, do clarão matinal.

Minha alma em verso

Dentro de mim há um grito
Profundo e verdadeiro
De uma alma cheia de vida
Sorrisos e passos ligeiros

Uma alma apaixonada
por palavras perdidas no ar
De uma voz muda que ecoa
Em meus pensamentos a trilhar

De onde vens, oh voz misteriosa
Que mexes com meu profundo ilusório
De toques, palavras e cheiros
desejos de um sonho irrisório!

Oh minh'alma, volte logo
ao seu estado original
assim, deturpas meu raciocínio
e me deixas temperamental

Enquanto voo no meu mundo indiscernível
corro ao encontro e toco o ar
devaneio que cresce e esmorece
ilusões do verbo  APAIXONAR.