terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Em duas mãos o instante


       "Caminhos que se perdiam,
        Buscavam por quem sonhava
        Perdia-se minutos, criava-se tempos
        De amores esquecidos, a serem despertos

        O olhar ansiava horizontes
        Os pensamentos, profundidade
        Agora silenciava os ventos
        A carregar pequenas folhas ...

        No lugar onde habitavam devaneios
        surge uma nova esperança
        de compartilhar sonhos perdidos
        e imaginários antes nunca relevados

        Laços fraternos de um solo distante
        unem-se em favor do pensar
        mostrando a unidade das palavras
        como uma melodia escrita ao luar

        Como se uma estrela desenhada
        A um infinito firmamento
        Que se faz em praia vasta
        De sonhos realizados, e jogados ao profundo mar

        Como o vento que sopra ao dia,
        Trazendo a noite solstícia
        Eternizando momentos únicos
        Para que o sempre, seja o instante."



Poema escrito em duas mãos...
Obrigada meu amigo Jefferson Damascena!
Poeta de coração sublime e abençoado.


Deus seja sempre contigo.

3 comentários:

  1. Uma pena, mas não se vê quase o texto, gostaria de poder enxergar, talvez se você trocar a cor do texto... Obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Leve e marcante como uma brisa em um dia muito especial. Parabéns pela delicadeza da construção! Lisi, com tempo, deixe sua impressão no http://jefhcardoso.blogspot.com Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo carinho Jef..
      Passando no seu blog nesse momento!

      Excluir